Dezassete

from by Spasm

/
  • Digipack! Mesmo bonito, e amarelo!

    Includes unlimited streaming of Ema via the free Bandcamp app, plus high-quality download in MP3, FLAC and more.
    ships out within 2 days

      $5 USD or more 

     

  • Streaming + Download

     

about

Instrumental:
Emancipator - Old Devil

lyrics

Eu vou caminhando zombie, sem revolta.
Não há volta, sou vagabundo, não importa.
Desde que eu fui ao futuro a minha vida foi um furo
Ansiosamente à espera que se decidisse tudo,
Só que hoje…

A minha cama de cartão inflama...
Envolto em chama, rebolo pelo chão molhado.
Não é que não fosse queimado, só que agora sou no corpo
E não vou para o hospital, e o pior é que eu não morro!
Enquanto corro sério risco de ameaça,
Que um comparsa quer-me cortar a garganta...
Apanho o primeiro comboio sem bilhete da cidade,
Chegando à cidade ao lado espeto um soco e roubo a chave
Do carro... Eu corro, para o ao destino que sonho,
E não só posso, como tenho poder nisso a tempo inteiro
Porque, eu sei a hora exacta a que me movo,
E conto os segundos para o tal tiro do céu.
Deus, tiro-te o chapéu se fores tão justo,
E acabares logo comigo e com o futuro prometido
Por mim, a quem se atravessar na minha frente,
Porque eu disse há 17, eu mato todos! Prometo!

(Refrão)
Vão passar 17, desde os anos aos minutos,
Vou sorrir p'rao segundo em que Deus me der um tiro!
Dá-me um tiro! Dá-me um tiro! Esta voz é de agonia
Juro que eu se não morrer vou matar-me toda a vida.

Já alguma vez sentiste assombração por um fantasma?
Desde qu'esta alma espasma, a imagem não foi a mesma,
E a cena, é que o horror passou diante dos meus olhos,
E eu petrificado fui sugado em todos os meus sonhos.
E foi, sim, no dia certo do mês de um certo ano
Que cada número somado dava 1 e 7 pleno...
E o meu medo, esse, invadiu-me quase em segredo
E quando acordei eu sei, nunca mais fui o mesmo...
E o que fez de mim assim foi a maldição do número,
E o maldito número, que me persegue em tudo.
Tudo... sou só mais alma penada,
Profundamente magoada por ser esquecida do nada.
Eu sou nada! Isso. Até hoje vou ser nada,
Espero ser daqui a nada defunto por uma bala
Com vista a atingir-me a alma. Olham p'ra mim do céu...
E os meus olhos vão chorando. Anseio o momento meu...

(Refrão)
Vão passar 17, desde os anos aos minutos,
Vou sorrir p'rao segundo em que Deus me der um tiro!
Dá-me um tiro! Dá-me um tiro! Esta voz é de agonia
Juro que eu se não morrer vou matar-me toda a vida.

Peguei a chave daquele carro, não fujo à sina,
Eu vou correndo p'ra pista que me vai tirar a vida.
Essa dada, assinada p'rao diabo,
Portanto sabem que eu sei onde vou ser acabado.
Na garganta da cidade eu cuspo p'ró chão polido
Sem medo, cara firme, venha de lá o inimigo.
Não há perigo! Tiro a camisa, é p'rao meu peito a mira,
Porque o meu orgulho, bichos! Não há nada que o fira.
Viro a cara p'ra cima, vou gritando, vou grunhindo
Então és tu que tens o dom! Estoira comigo!
Fraco tipo! Tu vais acabar sozinho,
Vais ser como o meu destino, e também vais cair no vinho.
E vou-te confessar, és controlado por mim
Porque estás a dar-me o que eu quero... Estás a dar-me o fim...
Sabes, passaram 17, desde os anos aos minutos,
E eu sorrio p'rao segundo em que tu me dás um tiro!

Passaram 17, desde os anos aos minutos,
E eu sorrio p'rao segundo em que tu me dás um tiro!
Passaram 17, desde os anos aos minutos,
E eu sorrio p'rao segundo em que tu me dás um tiro!
Passaram 17, desde os anos aos minutos,
E eu sorrio p'rao segundo em que tu me dás um tiro!
Passaram 17, desde os anos aos minutos,
E eu sorrio p'rao segundo em que tu me dás um tiro!
(...)

credits

from Ema, released March 17, 2012
Escrita e interpretada por Spasm.
Gravada, misturada e masterizada por Michael "Mic" Ferreira na Sine Factory.

tags

license

about

Spasm Porto, Portugal

contact / help

Contact Spasm

Streaming and
Download help